Violência e drogas no cotidiano de adolescentes institucionalizadas

Débora Regina Bell'Aver, Andrea Ruzzi-Pereira

Resumo


Objetivos: verificar como adolescentes do sexo feminino percebem a violência em seu cotidiano; e se relacionam alguma violência sofrida por elas com o uso de drogas pela vítima ou pelo agressor. Método: Trata-se de um estudo qualitativo, de caráter exploratório e descritivo, do qual participaram nove meninas com idade entre 12 e 17 anos, sendo que quatro estavam em uma comunidade terapêutica para tratamento dos problemas relacionados ao uso de álcool e outras drogas e cinco abrigadas por proteção devido às violências sofridas, em duas instituições em uma cidade do interior de Minas Gerais. A coleta de dados ocorreu entre abril e junho de 2016; utilizou-se um roteiro de pesquisa semiestruturado, com perguntas relacionadas à violência e ao uso de drogas, tais como: se já foram vítimas de violência e de que tipo; se elas relacionam a violência com o uso de drogas (por elas ou pelo agressor), sendo os dados analisados por meio da análise temático-categorial. Resultados: A análise do conteúdo das falas das participantes permitiu agrupá-las em duas categorias: percepções sobre a violência e a relação de ser vítima de violência e o uso de drogas. Conclusão: É necessário conscientizar não só as adolescentes, mas toda a sociedade sobre o que é violência; sobre a associação desta com o uso de drogas, sobre riscos e consequências, pois ser vítima pode levar à retração, à exclusão, e até mesmo ao suicídio.

Palavras-chave


Adolescente, Violência, Transtornos relacionados ao uso de substâncias

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.