Análise das atividades de educação permanente para profissionais da atenção primária à saúde

Eunice Almeida da Silva, Régia Oliveira, Douglas Andrade, Andréa Viude

Resumo


Atividades de Educação Permanente foram estabelecidas nos serviços que prestam atendimento ao sistema público de saúde brasileiro, mas até o momento não foram desenvolvidas ferramentas para avaliar o impacto dessas atividades no desempenho dos profissionais. O objetivo deste artigo é descrever um estudo diagnóstico das atividades de Educação Permanente oferecidas aos profissionais que trabalham na Atenção Primária à Saúde, em uma região de baixa renda da cidade de São Paulo- Brasil. Por meio de uma análise documental e de entrevistas com 50 profissionais de diferentes categorias, obteve-se como resultado a falta de evidências das finalidades das atividades de Educação Permanente; do alinhamento com a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde; da definição do método para levantar a necessidade das atividades e do método para avaliar o impacto das atividades no desenvolvimento profissional. Os resultados também revelaram que há um empenho, por parte dos serviços, em oferecer atividades educativas de Educação Permanente para os profissionais. Porém, muitas vezes, não são planejadas e nem aferidas. Diante desses resultados implementou-se um Observatório com vista a conhecer, apoiar, monitorar, avaliar e fornecer subsídios conceituais, metodológicos e pedagógicos às ações educativas. Como o município de São Paulo é representativo de muitas áreas metropolitanas no Brasil e em outros países, ainda que tenha suas especificidades, acredita-se que esta proposta possa ter correspondência ou mesmo se aplicar aos sistemas públicos de saúde de outros lugares.


Palavras-chave


Educação Permanente. Avaliação de desempenho profissional. Profissionais de saúde. Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.