O TRABALHO INFANTO JUVENIL: perspectivas históricas

rosimere de souza

Resumo


O presente artigo expõe e analisa alguns dados históricos e estatísticos sobre o trabalho infanto-juvenil no mundo, remontando ao período da revolução industrial do século XVIII na Europa, um dos momentos de auge da expropriação da mão de obra das casses trabalhadoras, estendendo-se a todos os seus membros, em especial mulheres e crianças. Também são apresentados aspectos históricos e políticos inerentes ao processo de desenvolvimento do capitalismo industrial no mundo, no contexto do qual vão sendo construídos os argumentos que legitimam ou refutam esta prática. Neste contexto, destaca-se as questões em debate sobre o trabalho infanto-juvenil no mundo e no Brasil - a partir do início dos anos de 1900 -, destacando alguns fatores seus determinantes que permitem no caso brasileiro a institucionalização do trabalho como alternativa para as crianças e adolescentes das classes trabalhadoras, não somente pela necessidade de sobrevivência mas, justificado por uma intrínseca relação entre pobreza e marginalidade, como um destino irrefutável e inevitável.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.