Análise da produção científica brasileira sobre Organização de Gestão de Destinos (1997-2018)

Nathália Körössy, Letícia Calabria, Itamar Cordeiro

Resumo


Refletir sobre o conhecimento científico produzido e que se vem produzindo sobre um determinado tema é fundamental em qualquer área do conhecimento, haja vista que, nos estudos sobre turismo, as pesquisas sobre a produção do conhecimento, a propósito de Organizações de Gestão de Destinos (OGD), são inexistentes. Este trabalho se propôs a realizar uma análise bibliométrica sobre a produção científica brasileira a respeito destas entidades. Foram analisadas as publicações entre 1997 e 2018. Encontrou-se que, de forma geral, a produção brasileira sobre OGDs é insuficiente, temporalmente inconstante, concentradas em revistas com Qualis Capes B1, que não têm o termo "OGD" entre suas palavras-chave e; majoritariamente baseadas em estudos de caso. Além disso, tendo como base a análise da bibliografia citada por esses artigos, verificou-se que não é possível identificar uma obra capaz de ser considerada como um marco de referência na temática da gestão de destinos. Por fim, foi constatado que os artigos chegam a algumas conclusões em comum, quais sejam: a importância dos stakeholders na gestão pública do turismo, a situação atual da gestão dos destinos e a relevância do planejamento estratégico para o desenvolvimento turístico do destino.

Palavras-chave


Análise bibliométrica. Gestão de destinos. Gestão pública do turismo. Organização de gestão de destinos. Turismo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.17648/raoit.v14n2.5699

Direitos autorais 2020 Nathália Körössy, Letícia Calabria, Itamar Cordeiro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.