O MANEJO DO LIXO BIOLÓGICO NO AMBIENTE INTRADOMICILIAR: uma prática diária vivenciada pelo diabético Insulinodependente

Aline Ramos Pinto, Simone Xavier Fonseca, Taiana Gomes Santana, Tatiana Alves Moraes, Urçula Ferreira Souza

Resumo


Estudo descritivo exploratório com abordagem qualitativa tendo como objetivos: Identificar o nível de conhecimento e formas de descarte do lixo biológico intradomiciliar utilizadas pelos diabéticos insulinodependentes; Apresentar reflexões acerca da importância da educação em saúde, com foco no descarte do lixo biológico; e propor alternativas de descarte do lixo contaminado para este portador. Escolhemos como campo de estudo um Programa de Saúde da Família, do Município de Duque de Caxias – RJ. Os depoentes foram os diabéticos insulinodependentes. A coleta de dados foi realizada na visita domiciliar, utilizando um roteiro de entrevista semi-estruturada, onde as informações foram gravadas e transcritas. Através da análise de conteúdo as informações foram agrupadas em três categorias temáticas: 1. A responsabilização da aplicação da insulina pelo usuário insulinodependente – identificamos que os portadores se preocupam em seguir o tratamento, mesmo não adquirindo habilidades e autoconfiança para auto-administração; 2. O destino do lixo biológico - destacamos que nenhum dos depoentes menciona o uso da prática alternativa para o descarte deste lixo, embora ressaltem a importância do cuidado com materiais perfuro-cortante; 3. Orientação e conhecimento sobre a manipulação e o destino do lixo biológico – os depoentes afirmam que receberam orientações com foco no controle da doença, negando a existência de orientações com ênfase ao manejo e descarte do material biológico. Acreditamos que este estudo traga reflexões sobre a importância do descarte dos resíduos biológicos intradomiciliares, e contribua de forma a incentivar ações de promoção de saúde e prevenção de doenças que advém do lixo biológico.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.