CUIDADOS PALIATIVOS: RELAÇÃO EFICAZ ENTRE EQUIPE DE ENFERMAGEM, PACIENTES ONCOLOGICOS E SEUS FAMILIARES

Maria Isabel Gomes

Resumo


RESUMO: A OMS, em 2002, traz uma redefinição no conceito de Cuidado paliativo, evidenciando nesse cuidado uma qualidade de vida ao paciente terminal, objetivando sua dor e sua melhora como fator primordial nesse cuidado direto. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva de revisão bibliográfica, realizadas nas bases eletrônicas BVS (Biblioteca Virtual de Saúde). Tendo como objetivos: destacar a importância da comunicação na relação entre família equipe de enfermagem e pacientes em finitude; ressaltar a relevância dos familiares na habilidade e presteza da assistência estabelecida ao doente oncológico em cuidados paliativos.É imprescindível que a enfermagem estabeleça meios facilitadores na comunicação que se institui no processo de cuidar do paciente com câncer terminal, buscando para esse cuidado agregar os familiares presentes no processo de finitude do seu ente.  Apesar do grande esforço que os enfermeiros realizam na assistência aos pacientes em cuidados paliativos mediante a rotina diária e complexa, denota-se que a própria dinâmica de atendimento não possibilita momentos de reflexão para que sua equipe se atente numa orientação melhorada e humanizada aos pacientes em finitude. É imprescindível que a enfermagem estabeleça meios facilitadores na comunicação que se institui no processo de cuidar do paciente com câncer terminal, buscando para esse cuidado agregar os familiares presentes no processo de finitude do seu ente.


Palavra-chave: enfermagem, paliativos, equipe de enfermagem.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.