Saúde & Ambiente em Revista, Vol. 4, No 2 (2009)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Características biológicas e ecológicas de populações silvestres e peridomiciliares de Triatoma brasiliensis (Hemiptera; Reduviidae) vetor da Doença de Chagas

Livia da Silva Oliveira, Raquel de Mattos Maia, Otilia Sarquis

Resumo


RESUMO
T. brasiliensis é um dos principais vetores da doença de Chagas no Nordeste brasileiro, com marcada presença e ampla distribuição no estado do Ceará, apresentando elevado grau de domiciliação e altas taxas de infecção pelo Trypanosoma cruzi. Com o intuito de obter conhecimentos sobre as características biológicas e ecológicas, comparamos as populações silvestres e peridomiciliares, capturados no período seco e chuvoso. Em todos os períodos sazonais a população do peridomicílio apresentou maior densidade populacional e melhor estado nutricional em relação ao silvestre. As fêmeas silvestres apresentaram maior produtividade de ovos (média = 65,32 ± 48,77). O índice de infecção natural foi detectado apenas na população silvestre (6,02%). As principais fontes alimentares identificadas nos ambientes foram ave seguida de tatu. O estudo elucidou algumas características comportamentais de T. brasiliensis, que podem contribuir para a adoção de medidas que resultem no efetivo controle do vetor.

Palavras-chave: Triatoma brasiliensis; Triatomíneos silvestres e peridomiciliares; ecologia de vetor; Doença de Chagas; Trypanosoma cruzi.